Leite Integral x Leite Desnatado

postado em: Blog | 0
Estudos recentes mostram que o leite integral pode ser mais benéfico à saúde que o desnatado

 

Já é prática comum ver o leite integral com maus olhos… mas será que ele merece mesmo esse tipo de desconfiança? Confira essa matéria super completa da revista Viva Saúde sobre o tema e tire suas conclusões!

“Estudos recentes publicados no American Journal of Clinical Nutrition e no European Journal of Nutrition apontam que as pessoas que faziam uso rotineiro de leite integral sofreram, ao longo dos anos, menos de do que aquelas que consumiam as versões semidesnatada ou desnatada.

Mocinho ou vilão?
E o fundamento para essa conclusão pode estar exatamente naquela que era considerada a grande inimiga por trás do leite integral: a gordura saturada. Segundo os pesquisadores, a versão completa do alimento baixa a carga glicêmica no organismo, um importante benefício para os diabéticos. Além disso, a gordura aumenta a sensação de saciedade, o que reduz a quantidade das refeições ao longo do dia. Dentre os 18 estudos publicados de 2010 a 2013, oito sugerem que produtos lácteos reduzem o risco de doenças cardiovasculares, nove não apresentaram efeitos positivos nem negativos e apenas uma pesquisa indica risco associado ao alimento.

“A grande diferença entre os tipos de leite é a quantidade de gordura. O integral é o mais calórico, contendo 6 g de gorduras (3%) em 1 copo de 200 ml. O desnatado é o menos calórico e não leva quase nada do nutriente (0% a 2%). Já o semidesnatado, é o meio termo entre os dois anteriores e contém 2 g de gordura (0,6% a 2,9%)”, diz Vanessa Leite, nutricionista de uma clínica especializada em psicologia do emagrecimento (RS).

Lista de nutrientes
O chamado leite completo faz jus ao nome quando o assunto é a gama de nutrientes presentes nele. Para começar, o alimento é rico em cálcio e fósforo, importantes para a formação e o fortalecimento de ossos e dentes. “Também tem boas quantidades de vitamina D, que facilita a absorção e fixação desse cálcio, além de controlar o nível de insulina, diminuir o risco de doenças cardiovasculares, depressão, e o câncer”, aponta Gilberto Kocerginsky, médico ortomolecular (RJ).

A versão integral possui imunoglobulinas, substâncias que ajudam a estimular o sistema imunológico contra algumas doenças infecciosas. As proteínas presentes contribuem no desenvolvimento muscular. “Não podemos esquecer a vitamina A, importante para a formação dos tecidos, e as do complexo B, que auxiliam na proteção do sistema nervoso e participam do processo de oxigenação das células”, acrescenta Alyne Santim, nutricionista da Clínica Liliane Oppermann (SP).

Força a mais na academia
O combo proteína, carboidratos e gorduras pode ajudar, e muito, aos praticantes de atividades físicas. “Para quem se exercita e deseja ganhar peso ou massa magra, o leite completo pode sim ser recomendado por conta da quantidade de nutrientes, incluindo a gordura. Porém, para aqueles que investem pouco tempo na academia e desejam reduzir massa gorda, o investimento deve ser em outros tipos de alimentos”, indica Luiza Leite,nutricionista esportiva (RS).

Grupos certos
Diante de tantos pontos positivos, fica até difícil elencar quem pode e quem não pode ingerir o alimento. De acordo com o médico Pedro Assef, mestre em endocrinologia pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) e pesquisador do Grupo de Obesidade e Transtornos Alimentares (Gota) na Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (PUC-Rio), crianças a partir dos 2 anos de idade e idosos estão na lista daqueles que devem incluir o leite integral no cardápio. “A única ressalva é para quem tem alguma doença intestinal, ou que esteja com controle de peso e do colesterol. Nesse caso, é preciso consultar um médico antes”, afirma.

Se este não for o caso, a versão completa é mais do que indicada, afinal de contas, o cálcio e a vitamina D são importantes para a mineralização dos ossos, prevenindo a osteoporose e também para os pequenos, que estão em fase de fortalecimento da estrutura esquelética. E lembre-se: o consumo diário não pode ultrapassar dois a três copos de 200 ml.

(Fonte: Revista Viva Saúde)

 

Fique atento
Além daquelas pessoas que são alérgicas e com intestino sensível, o leite integral também pode ser um inimigo de quem está resfriado.Isso porque o alimento é formador de muco, o que pode piorar ainda mais a concentraçãode catarro. “Outro alerta é para o consumo do leite dito ‘longa vida’, UHT ou pasteurizado, que são leites ‘estéreis’, que passam por um processo de industrialização. São agregados ativos químicos para manter o leite conservado por mais tempo e não sabemos ao certo o que essa intervenção pode trazer ao organismo a longo prazo”, alerta Alyne. O fato é que consumir o alimento em sua versão integral pode trazer alguns benefícios. Basta seguir a regra básica para tudo na vida: ter moderação.”

Fonte: Revista Viva Saúde

Deixe uma resposta